atendimento calendario especialistas especificacao foco instaladores materiais ph_phone ph_title_graph_left ph_title_graph_right produtos

Cajuzinho do Cerrado

21 de outubro por Equipe Panela Candanga

O presente que a seca nos dá

Viver das coisas que a natureza nos dá. Parece até uma filosofia simplista ou quase impossível de praticar, mas será mesmo? Ou talvez tenhamos perdido essa conexão? A natureza tem seus movimentos, seu tempo e seus frutos e o Cajuzinho do Cerrado está aqui para provar isso.

Ele gosta de sol, seca e de crescer isolado. Independente, não é com todas as árvores que eles aceita compartilhar o solo, e quando vai dar os frutos? Isso só ele vai dizer, com a calma e tranquilidade que só a natureza tem e precisa. Todos esses detalhes a Dona Ana observou e aprendeu nesses mais de 10 anos de cultivo do Cajuzinho do Cerrado.

“Esse é um caju mais selvagem, que gosta de nascer sozinho. O ideal é plantar onde já existem algumas árvores que cresceram espontaneamente para ter a certeza que vai dar certo. Aqui a gente já notou que o cajuzinho combina com a cagaita e pimenta de macaco, mas não se dá com pequi e jatobá”, explica Dona Ana.

O caju do mato ou cajuí, como também é chamado de acordo com a região, é a estrela da seca. Plantado no período chuvoso, as frutas só surgem no auge da estiagem, e não adianta procurá-lo em outra época. “Nós iniciamos a plantação entre novembro e dezembro, normalmente após três chuvas, e a colheita acontece entre agosto e setembro ou até outubro, depende do ritmo da chuva. Quando passa esses meses, não se vê mais nem sinal de cajuzinho até a próxima safra”, alerta Ana.

Se por um lado o cajuzinho é tão dependente do clima e só aparece por 30 dias no ano, de outro, quando ele vem, ele vem com tudo. “Os animais gostam muito dessa fruta e acabam sendo os principais responsáveis por espalhar os pés de caju por todo o Cerrado. Nós temos nosso local de plantação, mas nascem muitas árvores fora e elas ficam carregadas de caju”, comenta.

Por isso mesmo, o Cajuzinho do Cerrado é aproveitado ao máximo na nossa gastronomia. Dona Ana mesmo cria e recria inúmeros produtos derivados do fruto. “A gente usa aqui os mais maduros para fazer polpa e doces, mas também começamos a fazer licor, cachaça e até kombucha para evitar o desperdício. Fora isso, nós vendemos pra muitos restaurantes que usam em vários pratos, doces e até salgados!”

Os cajuzinhos deste ano já estão indo embora, mas é possível congelar os frutos. O sabor? Para comer a fruta pura não é a mesma coisa, gosto e textura são alterados, mas para usar em receitas, isso sim dá pra fazer o ano todo.

Ficou curioso pra saber como o Cajuzinho do Cerrado pode deixar várias receitas maravilhosas? Nos restaurantes Universal, Baco e Dom Francisco sempre tem algum prato com ele.

Ficha técnica

Nomenclaturas: Cajuzinho do Cerrado, Caju do Mato, Cajuí
Nome técnico: Anacardium humile
Aspectos físicos: Tamanho menor que o caju tradicional, casca nas cores vermelho, amarelo e roxo
Origem e produção: apenas no Cerrado
Época: Entre agosto e setembro
Onde comprar: Ceasa, Mercearia Colaborativa, Mercadinho do Brasília Shopping
Valor médio: De R$ 10 a R$ 20 o quilo

Remodal